Skip to content

A traição que mudou a história da Dinamarca apaixona público e crítica

14/04/2012

O romance épico A Royal Affair (En Kongelig Affære) promete ser um dos maiores sucessos no cinema dinamarquês de todos os tempos, tanto no circuito interno de cinema quanto no exterior. Produzido pela Zentropa, o filme de Nikolaj Arcels recebeu dois ursos de prata no 63º Festival de Berlim, em fevereiro, e já foi exibido para 4,4 milhões de espectadores desde a estreia, em 29 de março.

Romance entre a rainha da Dinamarca, Caroline Mathilda, e o médico do Rei Christian VII, Johann Struensee, um triângulo amoroso que mudou o curso da história do país

Adaptado do romance de Bodil Steensen-Leth, A Royal Affair traz ao público um pouco da História da Dinamarca por meio de um triângulo amoroso provocante e proibido que mudou toda uma nação – um drama sobre os idealistas corajosos que lutaram pela liberdade do povo dinamarquês e para isso arriscaram tudo. No final de 1760, Caroline Mathilde (Alicia Vikander), rainha da Dinamarca de origem inglesa, casou-se com seu primo, rei Christian VII (Mikkel Boe Følsgaard), cujos problemas mentais e a não assumida homossexualidade o levaram pouco a pouco a se afastar do poder. Seu médico, o alemão Johann Friedrich Struensee (Mads Mikkelsen) entra na cena política e na alcova do reino, tomando o poder do rei e se tornando amante da rainha. É uma história de conclusão trágica, mas que mostra como Struensee usou sua influência sobre o reino da Dinamarca para torná-la livre dos arcaísmos cruéis medievais e trazê-la para a era do Iluminismo.

A Royal Affair já foi vendido a 79 países. A distribuidora TrustNordisk só tem a comemorar com os resultados do filme no mercado escandinavo e os pedidos de cessão de direitos para exibição que não param de chegar de todas as partes do mundo. Rapidamente, todos os grandes distribuidores de países de língua inglesa sacaram os talões de cheques para garantir a compra do filme. A Royal Affair também já foi vendido a distribuidoras da Turquia, China, Alemanha (MFA), Áustria (Filmladen ), Espanha (Golem), Suíça (Film Elite), China, Japão, Rússia, Cuba e a quase toda a Europa Oriental, como Polônia, Eslováquia, República Checa, Estônia, Romênia e Lituânia.

O número de espectadores de A Royal Affair já aponta um desempenho melhor que o de qualquer outro filme dinamarquês do ano passado: em uma única semana de exibição, foi visto por mais de 110.000 pessoas. Há certeza de que supere com folga Hævnen (In a Better World), de Susanne Bier, que recebeu o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2011 e fechou as exibições com 450.000 bilhetes vendidos na Dinamarca.

O ator Mads Mikkelsen como o médico alemão Johann Struensee: elenco e roteiro são aclamados pela crítica

Críticas e cinta-liga – Triângulos amorosos têm força para causar polêmicas, inflamar paixões e instaurar dúvidas sobre a instituição monogâmica. Além de contar uma história apaixonante, A Royal Affair tem sido muito elogiado pelo roteiro fortemente estruturado em pelas atuações impecáveis dos atores. “Especialmente Mikkel Boe Følsgaard é notável em um papel muito difícil. Ele joga com o equilíbrio entre o mental e momentos de absoluta clareza e elegância finamente dosados. Em última análise, ele torna Christian VII humano”, escreve o crítico Jacob Wendt Jensen, do jornal Berlingske.

A história ganha ainda mais vida através de documentos e objetos de época, como o conjunto de cinta-liga que Struensee deu de presente à Caroline Mathilda, o qual foi apresentado como prova contra ele em seu julgamento, que ao fim o condenou à morte. A equipe leu pelo menos sete livros que narram o fato histórico, todos repletos de controvérsias e pontos de vista divergentes. Ao final, conseguiram um roteiro equilibrado, sem caricaturizar os papéis.

No Festival de Berlim, Nikolaj Arcel e Rasmus Heisterberg levaram o Urso de Prata de Melhor Roteiro e Mikkel Boe Følsgaard, que desempenha o papel do rei Christian VII, recebeu o Urso de Prata de Melhor Ator. O roteiro recebeu supervisão do diretor Lars Von Trier. Nikolaj Arcel e Rasmus Heisterberg já haviam obtido sucesso internacional com o roteiro do thriller The Girl With the Dragon Tattoo, o primeiro filme da série Millenium.

Veja a seguir o trailer de A Royal Affair (em inglês).

Segundo Rikke Ennis, CEO de vendas da Trust Nordisk, A Royal Affair tem potencial pleno para atingir popularidade internacional graças ao elenco, em especial ao desempenho de Mads Mikkelsen, e em parte pela verdadeira grandeza do filme, que toca em dois pontos caros aos nórdicos: a invasão do Cristianismo e a liberdade, igualitária e fraterna. “É a primeira vez que a Dinamarca faz este tipo de épico, e que pode competir à altura com os grandes filmes de época americanos e franceses. Mas a verdadeira história por si só também vende o filme realmente bem”, disse ao jornal Politiken.

A expectativa é de que A Royal Affair seja lançado até 2013 em todos os países que compraram os direitos de exibição. No Brasil, o filme ainda não tem distribuição.

Leia aqui a entrevista que o diretor Nikolaj Arcels concedeu ao Danish Film Institut: “The responsability to tell a good story” (em inglês).

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 20/04/2012 15:13

    òtimo review, vou buscar esse filme.

  2. 16/04/2012 09:57

    A trilha do trailer parece indicar um pseudo filme de ação :-S

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: